segunda-feira, 7 de março de 2016

Homenagem ao Mistério do Espírito do Ferro - Áwo Ògún

Ògún


Oní Ợrùn kàngun kàngun.
O proprietário de muitas moradas no Reino dos Ancestrais.

Ifa diz que no dia em que os Imortais queriam fazer a viagem do Ìkợlé òrun para ìkợlé Ayè, foi Ògún (O Espírito do Ferro), que forjou a corrente proporcionando a viagem. Desde aquele dia, Ògún é o Imortal que foi chamada para limpar a estrada.
No dia em que eles, os Imortais, resolveram plantar na fazenda, foi Ògún, que mostrou-lhes o Mistério das ferramentas.
Este mistério está no fogo, que é usado para temperar o ferro e torná-lo forte.
A partir deste dia foi Ògún, o Imortal, quem chamou a enxada para trabalhar.
No dia em que eles queriam ir à caça, foi Ògún que lhes mostrou como usar a faca.
O Mistério da faca está na compaixão que se tem do espírito do animal.
Desde aquele dia, Ògún que é chamado de Imortal fornece a carne para a panela.
No dia em que os Imortais queriam garantir que os seres humanos falassem a verdade, foi Ògún que forneceu o Mistério de Èdán.
O Mistério de Èdán é o conhecimento da justiça, que está dentro do útero de Onilé, que significa "Dono da Terra".
Desde aquele dia, Ògún é o Imortal a quem se faz um juramento.
Ifá ensina que a sobrevivência depende da força interior que é alimentada por uma forte vontade.
Foi a forte vontade de Ògún que forjou a corrente que ligou o reino invisível dos antepassados ao reino dos vivos na Terra.
Isto sugere que a força por trás da evolução é guiada por uma determinação implacável para expressar o que está destinado a se tornar.
Esta força está presente em todas as pessoas que estão vivas em virtude da paixão e do instinto de sobrevivência. A vontade de viver pode ser suprimida e reprimida, mas nunca pode ser apagada do potencial inerente que existe em todos os recém-nascidos.
De acordo com a sagrada história de Ifá, é esta vontade de viver que nos leva a descobrir a tecnologia de forjar o ferro. Esse mesmo poder de determinação é a raiz de todos os avanços tecnológicos que ocorrem dentro de uma determinada cultura.
No ponto da história humana em que as famílias extensas mudaram seu foco para arrecadar alimentos de animais mortos e para ir caçar, eles incluíram a dimensão espiritual, como um elemento de caça.
Esse processo espiritual foi de agradecer o espírito do animal caçado para fornecer a nutrição que eles precisavam para sobreviver. Ifá acredita que todas as formas de vida são cientes do seu papel e que toda consciência escolhe o seu destino, fornecendo nutrição, ela é vista como uma oferenda ao espírito do animal da família do caçador. Em resposta a esta oferta, o caçador eleva o espírito do animal para que ele retorne à Terra do reino invisível dos Anciãos e mais uma vez volte a fornecer alimentos.
Na cultura ocidental, esta cerimônia é muitas vezes considerada bárbara. Ignorar o espírito do animal ocorre apenas em culturas em que os seres humanos são colocados à parte do resto da criação.
Dentro de cada comunidade na sociedade yorùbá tradicional, há um conselho de anciãos chamado Ògbóni, que significa "Da Terra".
A Sociedade Ògbóni supervisiona a conduta dos chefes religiosos de uma determinada região geográfica.
Se alguém tem esquemas ou está ofendendo a comunidade, agindo fora da ética, Èdán é colocado no chão na frente de sua porta.
O Èdán é uma estátua de um homem e uma mulher que estão unidos no topo de suas cabeças por uma corrente.
Esta cadeia é uma representação da ferramenta esotérica original forjado pelo Espírito do ferro para fazer um caminho do reino invisível dos antepassados para a Terra.
A figura masculina é chamada Èdán, a partir da raiz da palavra Eda, que significa "criação". A figura feminina é chamada Onilé, que significa "Senhora da Terra".
Ambas as figuras representam os poderes gêmeos do Espírito do Ferro. Dentro de Ògbóni há um sistema de adivinhação que é usado apenas para resolver disputas.



Por Áwo Fatunmbi.

Tradução: Odé Ợlaigbo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Culto Tradicional Yorùbá, vem resgatar nossa cultura milenar, guardada na cabaça do tempo.