quinta-feira, 10 de novembro de 2011

O que são Gbaduras e Orikìs

Reza é uma conjunção de frases pré-estabelecidas que se recita costumeiramente decoradas, direcionadas a Deus ou às Suas divindades, muitas vezes engrandecendo seus feitos e direcionamos para determinado objetivo específico. A Religião dos Òrìsà não reza diretamente para Elédùmarè (Deus), pois se crê que Ele é um ser de um poder muito grande, incalculável e Oniausente por isso é preservado. Para ouvir e atuar diretamente na vida dos homens Ele criou seus emissários, os Òrìsà, cabendo a estes a missão de zelar por tudo que se relaciona com as necessidades humanas.
Oração é a conversa, o diálogo íntimo com Deus, através de Suas divindades, sem frases pré-determinadas.
A Tradição Yorùbá dá grande valor às rezas, crendo que a conjunção dos sons que elas emanam, quando são recitadas, são carregadíssimos de energia, que farão movimentar os objetivos pretendidos. Elas revelam feitos e características dos Òrìsà e fornecem orientações para a conduta dos seguidores da Religião. Através das rezas pode-se fazer pedidos aos Òrìsà, agradá-los ou aplacar sua ira. Todas estas formas poéticas orais estão cheias de metáforas e símbolos.
Ex: 
 Inu mi dum / Estou com a barriga doce interpreta-se como “estou feliz”.
Estes textos, milenares, dividem-se em:
OFÒ – Literal “Feitiço ou poder sobrenatural que dá alivio instantâneo à dor”. São palavras mágicas – encantamentos, que possuem em si uma mensagem mágica, ao ser recitado ativa o poder dos preparados mágicos ou medicinais.
ÀDÚRÀ E/OU GBÀDÚRÀ – Literal “Súplica“. São saudações, visam obter as graças dos Òrìsà e os direciona aos elementos por eles dominados.
ORÍKÌ (ou Pípè / chamado – convite) – É a contração das palavras orí / origem +  / saudar ou louvar. São evocações e servem para louvar e evocar a presença dos Òrìsà, assim como facilita o acesso ao auxílio que pode ser prestado pela Força Deles. Oríkì detém em si mesmo uma força mágica. Relata fatos ou feitos, de um indivíduo, família, cidade, e não só dos Òrìsà. Transmitem informações, características, virtudes e fraquezas dos seres ou daquilo que constitui seu tema. Podem relatar fatos relacionados com o nascimento de crianças. Exemplo é o caso de gêmeos, daqueles que tem o cordão umbilical enrolado no pescoço ou que os pés venham ao mundo primeiro. Há também Oríkì para animais. A tradição Yorùbá atribui grande valor para a recitação dos Oríkì e acredita que ele sempre causa grande emoção a quem se refere. É indispensável para se fazer qualquer pedido aos Òrìsà. As pessoas incorporam inevitavelmente ao ouvir a recitação de um Oríkì de seu Òrìsà.
ÌJÀLÁ ODE - São formas de recitar os oríkì, meio que cantaroladas, referindo-se somente aos caçadores, em especial à Ògún.
EWI ESA - É outra forma de recitação parecida com o oríkì, porém usada somente nos Cultos de Egúngún.
ORIN – Literal “Cantar” – São cantigas com formas mais brandas de louvação, empregados em festejos ou celebrações para um, ou vários Òrìsà. Possui parte da carga informativa do Oríkì e é intermediário entre ele e as àdúrà.
ÌYÈRÈ IFÁ – São constituídos de partes de um Odù + Oríkì de Ifá, que o Bàbáláwo faz uso nas cerimônias de batizados, casamentos, enterros e outras ocasiões especiais.
Muitas pessoas costumam confundir Rezas com Orações.

4 comentários:

  1. Mojuba.

    meu nome é Denise, me iniciei no culto ao Orisá, a uma ano, em um Ilé onde frequentava a dois anos.
    Bom sei q algumas coisas não podem ser faladas, mais o que quero saber é, os Orikis, eles podem ser feitos por nós em alguma necessidade, ou já existem em escrituras, conhecimentos dos mais velhos..pode se usar Oriki, qualquer pessoa, ex..eu uma yao, ou só os mais velhos, Oloyes, Baba/yalorixa..me desculpem se quis saber demais..desde já agradeço.
    Asé.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Denise, àse é.
      Primeiramente, Oríkì não é prerrogativa de nenhum Oyè, todos podem e deveriam cantá-los.
      Pelo enunciado do post o oríkì é um instrumento poderoso de exaltação as energias da natureza e muitas outras coisas mais.
      Se vc tiver conhecimento do oríkì de seu òrìsá use e transborde sua fé neste momento.

      Ire o.

      Excluir
  2. Mo jubá..
    Sou eu de novo, Denise.
    tenho outra dúvida, quando podemos usar Ofò, ou se também é restrito aos mais velhos, queria saber ao certo, a hora de usar Oriki, Ofò, e quanto Adurà, não consegui entender, o que seria, se pudessem me explicar com mais clareza..rsrs
    Me desculpe mesmo se estiver muito intrometida ou até mesmo irritante, mas é que sou apaixonada por essa religião e seus mistérios, pelos Orisás claro...tive que enfrentar minha família, que são evangélicos, eu também era, mais foi amor a primeira vista...então decidi pesquisar ao máximo sobre a religião, afim de mostrar que é uma religião do bem, totalmente diferente do que pensam muitos..

    Òrísá ki ba se o.

    ResponderExcluir
  3. Denise, o Òfò, deve ser utilizado pelas pessoas inicadas e com poderes inerentes ao seu cargo, ou seja, quando inicamos recebemos incisões em algumas partes do corpo, inclusive a lingua, nela são colocados alguns materias que irão potencializar suas palavras, existem intrumentos de auxilio nesta tarefa, afosè e etc, porém para que o objetivo seja alcançado melhor seria o òfò ser feito por quem de direito. Adurà são as nossas rezas/orações, geralmente cantadas e se relacionão com um momento sublime de contato com a energia invocada. O texto é bem claro sobre o tema perguntado. Você não está passando dos limites, você está buscando sua evolução e ela virá através do conhecimento, da sensibilidade e com certeza com o tempo lhe trará sabedoria. Estamos vivendo a era de Áquarius, a era do conhecimento, a masmorra, o cativeiro e a ignorancia devem ser deixadas para tráz e apagadas de nossa memória como um período de trevas referente ao conhecimento. Fique a vontade para fazer suas perguntas, se estiver ao meu alcançe e ao seu também, poderei revelar a resposta.

    Ire o.

    ResponderExcluir

O Culto Tradicional Yorùbá, vem resgatar nossa cultura milenar, guardada na cabaça do tempo.