domingo, 30 de outubro de 2011

Òkànràn-Irosun

Ómó súùru, (filho da paciência) isto que todos deveriam ser.
Ifá diz:

"Não amaldiçoe seu destino, porque você sabe exatamente o que você possui, mas ainda não sabe o que você vai ter, talvez você venha há ter o seu caminho e o seu destino de uma forma muito diferente ".
Estes foram os que lançaram Ifá para Impaciência no dia que ela estava muito insatisfeita com o seu destino.
Disseram-lhe para ter cuidado e não ser apressada,.
Porque quem muda o destino sem pensar (consultar Ifá), corre o risco de piorar as coisas!
Ifá diz que esta pessoa não deve correr em círculos.
Não deve comportar-se como uma cabra na extremidade de uma corda.
E esta pessoa deve sorrir  e simplesmente sobreviver aos maus tempos e esperar o bom tempo chegar.
Ifá diz:
Parece que nada acontece, mas você não pode esperar um trovão quando o céu está azul e na estação da seca, com certeza, não choverá.
Use este período de estagnação criativamente e ganhe força para quando a boa chuva (bom tempo) chegar!
Ifá diz:
Faça sacrifício, a fim de estar preparado para dançar selvagemente (com alegria) quando a música começar novamente.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Como matar mosquitos ecologicamente .


Para ajudar com a luta contínua contra os mosquitos da dengue e a  dengue hemorrágica, uma idéia é trazê-los para uma armadilha que pode matar muitos deles.
O que nós precisamos é, basicamente:
200 ml de água,
50 gramas de açúcar mascavo,
1 grama de levedura (compra na loja de produtos naturais)
e uma garrafa plástica de 2 litros
A seguir estão os passos a desenvolver:
1. Corte uma garrafa de plástico no meio. Guardar a parte do gargalo:  

 2. Misture o açúcar mascavo com água quente. Deixe esfriar, depois despeje na metade de baixo da garrafa.

3. Acrescentar a Levedura . Não há necessidade de misturar. Ela criará dióxido de carbono.

4. Colocar a parte do funil, virada para baixo, dentro da outra metade da garrafa.

5. Enrolar a garrafa com algo preto, menos a parte de cima, e colocar em algum canto de sua casa

Em duas semanas você vai ver a quantidade  de mosquitos que morreu lá dentro da garrafa.
Além da limpeza de suas casas, locais de reprodução do mosquito, podemos utilizar  esse método muito útil em  escolas, creches, hospitais e residências.
 Não se esqueça da dengue.

Ògúndá mèjì fala de Ori

Ọrùnmìlà diz que entrando numa sala com porta baixa, nós, automaticamente, reverenciamos Ifá, a questão é:
Quem dentre os deuses acompanha seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar?
Şàngó replicou que ele acompanha seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar.
Eles perguntaram a Şàngó:
Mas e se após uma longa jornada, andando e andando, você chegar a Koso, casa de seus pais e eles cozinharem sopa de feijão e fizerem pudim de inhame e lhe derem orogbo e um galo?
Şàngó disse:
Após tal satisfação, eu retorno para casa.
Então, Şàngó tinha falado que ele poderia não acompanhar seus seguidores, em uma jornada distante, sem retornar.
Ọrùnmìlà diz que entrando numa sala com porta baixa nós, automaticamente, reverenciamos.
Ifá, a questão é:
Quem dentre os deuses acompanha seus seguidores em todas as jornadas, sem nunca retornar?
Ợya replicou que ela acompanhava seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar.
Eles perguntaram a ela:
Mas, e se após uma longa jornada, andando e andando, você chegasse a Irá, casa de seus pais, e eles abatessem um grande animal e colocassem uma porção de pudim de milho, em sua frente?
Ợya disse:
Após tal satisfação eu retorno para casa.
Então, Ợya tinha falado que ela não poderia acompanhar seus seguidores,
Em uma jornada distante, sem retornar.
Ọrùnmìlà diz que, entrando numa sala de porta baixa nós, automaticamente, reverenciamos. Ifá, a questão é:
Quem dentre os deuses acompanhará seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar?
Ợbatálá replicou, que ele acompanhava seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar.
Eles perguntaram a Ợbatálá:
Mas, e se após uma lona jornada, andando e andando, você chegasse a Ifọn casa de seus pais e eles abatessem uma galinha com ovos e desse-lhe duzentos caracóis junto com verduras e melão?
Ợbatálá diz:
Após tal satisfação eu retorno para casa.
Então, Ợbatálá tinha falado que ele não poderia acompanhar seus seguidores, em uma jornada distante, sem retornar.
Ọrùnmìlà diz que, entrando numa sala de porta baixa, nós, automaticamente reverenciamos.
Ifá, a questão é:
Quem dentre os deuses acompanha seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar?
Èşù replicou que ele acompanhava seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar.
Eles perguntaram a Èşù:
Mas, e se após uma longa jornada, andando e andando, você chegasse a Ketu, casa de seus pais, e eles lhe dessem um galo e uma porção de óleo de palma?
Èşù disse:
Após tal satisfação eu retorno para casa.
Então, Èşù tinha falado que ele não poderia acompanhar seus seguidores numa jornada distante, sem retornar.
Ọrùnmìlà diz que, entrando numa sala de porta baixa nós, automaticamente, reverenciamos. Ifá, a questão é:
Quem dentre os deuses acompanha seus seguidores em todas as jornadas, sem nunca retornar?
Ògún replicou que ele acompanhava seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar.
Eles perguntaram a Ògún:
Mas, e se após uma longa jornada, andando e andando, você chegasse a Ire, casa de seus pais, e eles lhe dessem feijões fritos e um cão, também uma galinha, cerveja de milho e vinho de palma?
Ògún disse:
Após tal satisfação eu canto meu cântico Ìjálá alto e alegremente, em todo caminho de volta a casa.
Então, Ògún tinha falado que ele não poderia acompanhar seus seguidores, em uma jornada distante, sem retornar.
Ọrùnmìlà diz que, entrando numa sala de porta baixa nós, automaticamente, reverenciamos.
Ifá, a questão é:
Quem dentre os deuses acompanha seus seguidores em todas as jornadas, sem nunca retornar?
Òşún replicou que ela acompanhava seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar.
Eles perguntaram a Òşún:
Mas, e se após uma longa jornada, andando e andando, você chegasse a Ìjùmù, terra de seus pais, e eles lhe dessem pudim de farinha com verduras e cerveja de milho?
Òşún disse:
Após tal satisfação eu retorno para casa.
Então, Òşún tinha falado que ela não poderia acompanhar seus seguidores, em uma jornada distante, sem retornar.
Ọrùnmìlà diz que, entrando numa sala de porta baixa nós, automaticamente, reverenciamos.
Ifá, a questão é:
Quem dentre os deuses acompanha seus seguidores em todas as jornadas, sem nunca retornar?
Ọrùnmìlà replicou que ele acompanhava seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar.
Eles perguntaram a Ọrùnmìlà:
Mas, e se após uma longa jornada, andando e andando, você chegasse a Ìgètí, terra de seus pais, e eles lhe dessem dois ratos espertos, dois peixes de nado belíssimo, duas galinhas com fígado gordo, duas cabras pesadas e grávidas; dois bezerros com chifres grandes; se eles fizessem pudim de inhame para você, se eles lhe dessem boa bebida, cerveja de milho e atare, e dessem a você um grande obi?
Ọrùnmìlà disse:
Após tal satisfação eu retorno para casa.
Então, Ọrùnmìlà tinha falado que ele não poderia acompanhar seus seguidores, em uma jornada distante, sem retornar.
O Awo estava espantado
Eles não poderiam proferir uma palavra, pois eles não entenderiam a parábola.
Ifá, eu confesso meu desolamento, por favor, cubra-me de sabedoria.
Ifá, você é o líder.
Eu sou o seguidor.
Você é o sábio que ensina sábias coisas como um pai.
Ifá, a questão é:
Quem dentre os deuses acompanha seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar?
Ifá disse:
Este é Ori.
Ori sozinho, é quem acompanha seus seguidores, em todas as jornadas, sem nunca retornar.
Quando eu tenho dinheiro, é meu Ori que eu louvo.
Meu Ori, este é você.
Quando eu tenho filhos, é meu Ori que eu louvo.
Meu Ori este é você.
Todas as coisas boas que eu tenho na Terra é meu Ori que eu louvo
Meu Ori, este é você.
Você, que não esquece seus seguidores.
Você que abençoa seus seguidores mais rapidamente que outros deuses
Os deuses não abençoam o ser humano sem o consentimento de seu Ori
Ori, eu saúdo você.
Você que permite crianças nascerem vivas.
Quem oferecer e for aceito por seu Ori, tem razão para dançar e se alegrar.


Ire Bàbá.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Não matamos animais, professamos culto religioso.

Sacríficio é uma palavra que devemos ressaltar em nosso culto, quando ofertamos qualquer elemento ao Òrìsá devemos tratá-lo também como EBÓ.
Ebó é todo elemento ofertado a uma força espiritual, seja ela de que natureza for, ajogun (forças negativas), irunmolé (òrìsás que não são funfun-branco) ou òrìsá funfun.
Quanto ao Ebó Ejé, oferecimento de sangue, as críticas tornaram-se cada vez mais contundentes, com  apoio externo, inclusive da mídia, que não perde a oportunidade de associar qualquer fato ligado ao nosso culto com Bruxaria, Magia Negra, Vodoo (como aspecto pejorativo) e etc…
É surpreendente como pessoas que são leigas nestes fundamentos e incapazes de resolver problemas gravíssimos que a religião Iorubá por inumeras vezes se defronta e resolve, vem nos atacar nos chamando de primitivos e incivilizados.
Esta nova Lei estadual aprovada e editada no D.O. de S.Paulo no ultimo dia 15.10.2011, fere o artigo 5º da Constituição Federal que garante o direito de manifestação e prática religiosa. Nos cabe o direito inalienável de protestar-mos e tentar de todas as maneiras a caçassão deste artigo da Lei que vem encoberta pelo direito à vida animal. Quando na verdade por traz deste engodo está a discriminação religiosa, a supressão dos nossos direitos civis, onde o debate não foi aberto a sociedade como um todo. Quais lideranças religiosas foram consultadas, quantas sessões foram abertas para participação popular, as tintas que estão sendo usadas dentro deste tema estão carregadas com as cores da covardia, da falta de transparência, da punhalada nas costas, da sombra da noite, basta ver que a publicação deu-se em um sábado. Quanto mais pedimos honestidade de nossos mandatários, mas eles se esquivam e se mostram intolerantes com as religiões de matrizes afro-descendentes.
Precisamos nos organizar, manifestar nosso repudio a esta Lei absurda, acobertada por argumentos frágeis e dubios.
Não somos uma religião que sacrifica animais, imolamos com um propósito divino e temos o mesmo direito de saborear as bençãos distribuidas através deste alimento.
Argumentar que os animais de abate levam uma anestesia para que não sintam dor na hora do abate é querer enganar uma população inteira, pois um choque eletrico deixa qualquer um atordoado a atonito, mas esta forma de sacrificio pode. Não há como julgar uma religião por um bando de auto intitulados Sacerdotes que não conhecem toda a liturgia inerente ao seu posto, vivem de informações colhidas aqui e acolá, não buscam checar estas informações, não são filiados a nehuma Federeção local ou estadaula, manipulam instrumentos sem conhecimento liturgico, enfim, temos nossos tumores a serem extirpados, mas somos sabedores que uma religião milenar que se sustenta em ensinamentos calcados na sabedoria e oralidade não está a milenios propagando o nome de seu Deus, Olodunmarè, em vão. Sabemos que estes senhores da mídia tem o monopólio da informação e da desinformação nas mãos. A midia está se mobilizando para desmontar nossas forças vide RedeTV, onde o programa de Luciana Gimenez de 10.10.11 fez uma abordagem tendenciosa, com pessoas idem, onde despreparados e sem conhecimento de nossa religião se manifestaram de forma ridicula, abafando a única voz com conhecimento da causa em questão.

Cremos que isto seja apenas o inicio de uma perseguição, pois se não for perseguição o que será?
Veja este panorama liturgico:

O sangue que nos dá a vida em sua plenitude, sempre foi considerado divino, não existe um laboratório que o fabrique, é a força divina em seu estado material.
Tudo incluído na composição da Terra esta contido, também, na composição do sangue. Por exemplo, zinco, água, minerais, ferro, magnésio e mais 4209 elementos quimicos encontrados na natureza. Note-se que todos os reinos, seja ele mineral, vegetal ou animal, está contido em nosso sangue e vice-e-versa.
Sacrificar os animais não são regras e as orações específicas da ação dão graças a Deus pelo sacrifício.
Exemplo: O primeiro passo é agradecer a Deus pelo espírito do animal que vai em missão. Então, nós agradecemos a Deus pela comida, a carne que vamos comer, e agradecemos também a Mãe Terra, Onilè, que nos deu este alimento para sobreviver.
Todos os nossos amigos, irmãos e adeptos devem expressar sua opinião nesta tribuna, é a chance que temos de externar nosso sentimento e nossa opinião, este espaço religioso e democrático deve ser usado não apenas a nosso favor, mas esclarecer de forma transparente a visão de nosso povo.
Convocamos todos vocês a deixarem sua impressão neste espaço e acharemos um jeito de fazer chegar as autoridades nossa voz.
Por favor é de suma importancia a participação de todos, do repudio ao apoio a esta Lei ridícula. Temos que nos manifestar.

Ojó ijá.
(Dia de Luta)

Òludunmarè Ki nba se o.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Porque devemos tratar bem nossas visitas?

Oyeku-meji nos adverte:

Orunmilá diz que ele criará algo grandioso;
Eu digo que Ifá criará algo grandioso e Ifá criou “Fazenda”.
Orunmilá diz que ele criará algo grandioso;
Eu digo que Ifá criará algo grandioso e Ifá criou “Mercado”.
Òrunmilá diz que ele criará algo grandioso;
Eu digo que Ifá criará algo grandioso e Ifá criou “Guerra”.
Orunmilá diz que ele criará algo grandioso;
Eu digo que Ifá criará algo grandioso e Ifá criou “Estrada”.
Orunmilá diz que ele criará algo grandioso;
Eu digo que Ifá criará algo grandioso e Ifá criou “Casa”.
O último que Ifá criou foi “Casa”.
Após ter feito tudo isto, Orunmilá partiu para a casa de Olokum, para ler Ifá lá, onde ele permaneceu por dezesseis anos.
Em sua viagem de retorno para casa, o primeiro filho que ele visitou foi “Guerra”, que recebeu seu pai com comida e bebida.
Por isso, Orunmilá desejou aliviar seus intestinos, mas “Guerra” disse que não poderia aliviar seus intestinos na casa de “Guerra”.
O segundo filho que Orunmilá visitou foi “Mercado”, que recebeu seu pai com comida e bebida.
Por isso, Orunmilá desejou aliviar seus intestinos, mas “Mercado” disse que ele não poderia aliviar seus intestinos na casa de “Mercado”.
O terceiro filho que Orunmilá visitou foi “Fazenda”, que recebeu seu pai com comida e bebida.
Por isso, Orunmilá desejou aliviar seus intestinos, mas “Fazenda” disse que não poderia aliviar seus intestinos na casa de “Fazenda”.
O quarto filho que Orunmilá visitou foi “Estrada”, que recebeu seu pai com comida e bebida.
Por isso, Orunmilá desejou aliviar seus intestinos, mas “Estrada disse que ele não poderia aliviar seus intestinos em casa de “Estrada”.
O último filho que Orunmilá visitou era sua criança mais jovem, “Casa”, que tão logo viu seu pai, abateu uma cabra, cozinhando uma grande quantidade de comida, purê delicioso de inhames, e convidou todos seus amigos para entreter seu pai que havia retornado.
Quando Orunmilá tinha comido e bebido à exaustão, ele desejou aliviar seus intestinos, e “Casa” abriu um quarto e disse:
“Minha casa é sua casa. Meu pai tem permissão para aliviar seus intestinos  em qualquer lugar que queira neste quarto”
Depois que Orunmilá tinha aliviado seus intestinos, ele fechou a porta do quarto atrás de si.
Não muito mais tarde, Orunmilá novamente desejou aliviar os intestinos e “Casa” abriu outro quarto, que Orunmilá após ter aliviado seus intestinos,  também fechou novamente.
Por isso, Orunmilá falou com “Casa” para abrir e limpar o primeiro quarto, e quando “Casa” entrou encontrou o quarto cheio de dinheiro.
Por isso, “Casa” abriu o segundo quarto, encontrando um fardo de valiosas contas e pedras preciosas.
Então, Orunmilá falou que, doravante todo lucro feito por “Fazenda”,
“Estrada”, “Mercado” e “Guerra” seriam para beneficiar “Casa”.

Ifá diz: “se um visitante vier nos ver, nós teremos muito cuidado e atenção com ele. Deste modo, sua bondade e favor não passarão por nós e esse visitante nos conduzirá a abundância.”

Notem que abundância não resulta simplesmente em prosperidade financeira ou material.
Bençãos são os bens mais preciosos que o Òrìsá pode nos legar e dentre estas bençãos vida longa e saúde são as principais.

Ire o.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

A Saúde e as Emoções.



Ifá nos remete em vários textos a reflexões e em saber aproveitar os prazeres da vida, tais como: ler, brincar, amigos, filhos, festas, viagens e etc. As boas energias são encontradas nestes pequenos atos, enquanto a maior parte da população apartada destes conhecimentos não consegue alcançar as mensagens do Profeta de Olodunmarè. A ciência através de estudos embasados em experiências documentadas vem comprovar a sabedoria milenar do Pequeno de Ado.
Eliane Haas uma estudiosa do assunto nos presenteia com este texto simples e bastante profundo pela sua simplicidade e no poder de ser assimilado com naturalidade.

Dr. Jorge Carvajal - médico cirurgião da Universidade de Andaluzia, Espanha. Pioneiro da Medicina Bioenergética.
Qual adoece primeiro: o corpo ou a alma?
A alma não pode adoecer, porque é o que há de perfeito em ti, a alma evolui, aprende. Na realidade, boa parte das enfermidades são exatamente o contrário: é a resistência do corpo emocional e mental à alma. Quando nossa personalidade resiste aos desígnios da alma, adoecemos.
A Saúde e as Emoções.
Há emoções prejudiciais à saúde ? Quais são as que mais nos prejudicam?
70% das enfermidades do ser humano vêm do campo da consciência emocional. As doenças muitas vezes procedem de emoções não processadas, não expressadas, reprimidas.
O medo, que é a ausência de amor, é a grande enfermidade, o denominador comum de boa parte das enfermidades que temos hoje. Quando o temor se congela, afeta os rins, as glândulas suprarrenais,os ossos, a energia vital, e pode converter-se em pânico.
Então nos fazemos de fortes e descuidamos de nossa saúde?
De heróis os cemitérios estão cheios. Tens que cuidar de ti. Tens teus limites, não vás além. Tens que reconhecer quais são os teus limites e superá-los, pois, se não os reconheceres, vais destruir teu corpo.
Como é que a raiva nos afeta?
A raiva é santa, é sagrada, é uma emoção positiva, porque te leva à auto-afirmarão, à busca do teu território, a defender o que é teu, o que é justo. Porém, quando a raiva se torna irritabilidade, agressividade,ressentimento, ódio, ela se volta contra ti e afeta o fígado, a digestão, o sistema imunológico.            
Então a alegria, ao contrário, nos ajuda a permanecer saudáveis?
A alegria é a mais bela das emoções, porque é a emoção da inocência, do coração e é a mais curativa de todas, porque não é contrária a nenhuma outra. Um pouquinho de tristeza com alegria escreve poemas. A alegria com medo leva-nos a contextualizar o medo e a não lhe darmos tanta importância.
A alegria acalma os ânimos?
 Sim, a alegria suaviza todas as outras emoções, porque nos permite processá-las a partir da inocência. A alegria põe as outras emoções em contato com o coração e dá-lhes um sentido ascendente.
Canaliza-as para que cheguem ao mundo da mente.
E a tristeza?
A tristeza é um sentimento que pode te levar à depressão quando te deixas envolver por ela e não a expressas, porém ela também pode te ajudar. A tristeza te leva a contatares contigo mesmo e a restaurares o controle interno.
Todas as emoções negativas têm seu próprio aspecto positivo.Tornamo-las negativas quando as reprimimos.
Convém aceitarmos essas emoções que consideramos negativas como parte de nós mesmos?
Como parte para transformá-las, ou seja, quando se aceitam, fluem, e já não se estancam e podem se transmutar. Temos de canalizá-las para que cheguem à cabeça a partir do coração. Que difícil! Sim, é muito difícil. Realmente as emoções básicas são o amor e o medo (que é ausência de amor), de modo que tudo que existe é amor, por excesso ou deficiência. Construtivo ou destrutivo. Porque também existe o amor que se aferra, o amor que superprotege, o amor tóxico, destrutivo.
Como prevenir a enfermidade?
Somos criadores, portanto creio que a melhor forma é criarmos saúde. E, se criarmos saúde, não teremos que prevenir nem combater a enfermidade, porque seremos saúde.
E se aparecer à doença?
Teremos, pois, de aceitá-la, porque somos humanos. Krishnamurti também adoeceu de um câncer de pâncreas e ele não era alguém que levasse uma vida desregrada. Muita gente espiritualmente muito valiosa já adoeceu.
Devemos explicar isso para aqueles que crêem que adoecer é fracassar.
O fracasso e o êxito são dois mestres e nada mais. E, quando tu és o aprendiz, tens que aceitar e incorporar a lição da enfermidade em tua vida..
Cada vez mais as pessoas sofrem de ansiedade. A ansiedade é um sentimento de vazio, que às vezes se torna um oco no estômago, uma sensação de falta de ar. É um vazio existencial que surge quando buscamos fora em vez de buscarmos dentro. Surge quando buscamos nos acontecimentos externos, quando buscamos muleta, apoios externos, quando não temos a solidez da busca interior. Se não aceitarmos a solidão e não nos tornarmos nossa própria companhia, sentiremos esse vazio e tentaremos preenchê-lo com coisas e posses. Porém, como não pode ser preenchido de coisas, cada vez mais o vazio aumenta.

Então, o que podemos fazer para nos libertarmos dessa angústia?
Não podemos fazer passar a angústia comendo chocolate ou com mais calorias,ou buscando um príncipe fora. Só passa a angústia quando entras em teu interior, te aceitas como és e te reconcilias contigo mesmo.
A angústia vem de que não somos o que queremos ser, muito menos o que somos, de modo que ficamos no "deveria ser", e não somos nem uma coisa nem outra.
O stress é outro dos males de nossa época. O stress vem da competitividade, de que quero ser perfeito, quero ser melhor, quero ter uma aparência que não é minha, quero imitar. E realmente só podes competir quando decides ser um competidor de ti mesmo, ou seja, quando queres ser único, original, autêntico e não uma fotocópia de ninguém. O stress destrutivo prejudica o sistema imunológico. Porém, um bom stress é uma maravilha, porque te permite estar alerta e desperto nas crises e poder aproveitá-las como oportunidades para emergir a um novo nível de consciência.


O que nos recomendaria para nos sentirmos melhor com nós mesmos?
A solidão. Estar consigo mesmo todos os dias é maravilhoso. Passar 20 minutos consigo mesmo é o começo da meditação, é estender uma ponte para a verdadeira saúde, é aceder o altar interior, o ser interior.
Minha recomendação é que a gente ponha o relógio para despertar 20 minutos antes, para não tomar o tempo de nossas ocupações. Se dedicares, não o tempo que te sobra, mas esses primeiros minutos da manhã, quando estás rejuvenescido e descansado, para meditar, essa pausa vai te recarregar, porque na pausa habita o potencial da alma.

O que é para você a felicidade?
É a essência da vida. É o próprio sentido da vida. Estamos aqui para sermos felizes, não para outra coisa. Porém, felicidade não é prazer, é integridade. Quando todos os sentidos se consagram ao ser, podemos ser felizes. Somos felizes quando cremos em nós mesmos, quando confiamos em nós, quando nos empenhamos transpessoalmente a um nível que transcende o pequeno eu ou o pequeno ego.
Somos felizes quando temos um sentido que vai mais além da vida cotidiana, quando não adiamos a vida, quando não nos alienamos de nós mesmos, quando estamos em paz e a salvo com a vida e com nossa consciência. Viver o Presente.
É importante viver no presente? Como conseguir?
Deixamos ir-se o passado e não hipotecamos a vida às expectativas do futuro quando nos ancoramos no ser e não no ter, ou a algo ou alguém fora.
Eu digo que a felicidade tem a ver com a realização, e esta com a capacidade de habitarmos a realidade. E viver em realidade é sairmos do mundo da confusão.

Em sua opinião, estamos tão confusos assim?
Temos três ilusões enormes que nos confundem:
Primeiro :
Cremos que somos um corpo e não uma alma, quando o corpo é o instrumento da vida e se acaba com a morte.
Segundo :
Cremos que o sentido da vida é o prazer, porém com mais prazer não há mais felicidade, senão mais dependência.. Prazer e felicidade não são o mesmo. Há que se consagrar o prazer à vida e não a vida ao prazer.
Terceiro :
 Ilusão é o poder; desejamos o poder infinito de viver no mundo. E do que realmente necessitamos para viver? Será de amor, por acaso?
O amor, tão trazido e tão levado, e tão caluniado, é uma força renovadora. O amor é magnífico porque cria coesão. No amor tudo está vivo, como um rio que se renova a si mesmo. No amor a gente sempre pode renovar-se, porque ordena tudo. No amor não há usurpação, não há transferência, não há medo, não há ressentimento, porque quando tu te ordenas, porque vive o amor, cada coisa ocupa o seu lugar, e então se restaura a harmonia. Agora, pela perspectiva humana, nós o assimilamos com a fraqueza, porém o amor não é fraco.
Enfraquece-nos quando entendemos que alguém a quem amamos não nos ama. Há uma grande confusão na nossa cultura.
Cremos que sofremos por amor, porém não é por amor, é por paixão, que é uma variação do apego.
O que habitualmente chamamos de amor é uma droga. Tal qual se depende da cocaína, da maconha ou da morfina, também se depende da paixão. É uma muleta para apoiar-se, em vez de levar alguém no meu coração para libertá-lo e libertar-me.
O verdadeiro amor tem uma essência fundamental que é a liberdade, e sempre conduz à liberdade. Mas às vezes nos sentimos atados a um amor.
Se o amor conduz à dependência é Eros. Eros é um fósforo, e quando o acende ele se consome rapidamente em dois minutos e já te queima o dedo.Há amores que são assim, puras chispa. Embora essa chispa possa servir para acender a lenha do verdadeiro amor. Quando a lenha está acesa, produz fogo. Esse é o amor impessoal, que produz luz e calor.

Pode nos dar algum conselho para alcançarmos o amor verdadeiro?
Somente a verdade. Confia na verdade; não tens que ser como a princesa dos sonhos do outro, não tens que ser nem mais nem menos do que és. Tens um direito sagrado, que é o direito de errar; tem outro, que é o direito de perdoar, porque o erro é teu mestre. Ama-te, sê sincero contigo mesmo e leva-te em consideração. Se tu não te queres, não vais encontrar ninguém que possa te querer. Amor produz amor. Se te amas, vais encontrar amor. Se não, vazio. Porém nunca busques migalhas, isso é indigno de ti.
A chave então é amar-se a si mesmo. E ao próximo como a ti mesmo. Se não te amas a ti, não amas a Deus, nem a teu filho, porque estás apenas te apegando, está condicionando o outro.
Te aceita como és; não podemos transformar o que não aceitamos, e a vida é uma corrente permanente de transformações.

 Por: Eliane Haas
www.aguiadourada.com

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Aprovada Delegacia contra Intolerância no RJ .

O Rio de Janeiro criará em 17/03/2011, uma delegacia especializada em investigação de atos violentos e discriminatórios por racismo, intolerância religiosa e demais manifestações de preconceito.
A criação da delegacia especializada foi aprovada pela Assembléia Legislativa do Rio, que recuperou um projeto de lei de 2008 que tinha sido vetado. Os deputados derrubaram o veto, transformando em lei o projeto de autoria do deputado Átila Nunes.
O projeto teve votos contrários da bancada evangélica. Alguns deputados afirmaram que "a proposta do Átila Nunes fará com que pastores sejam impedidos de externarem suas opiniões sobre práticas demoníacas, porque poderão ser enquadrados pela nova delegacia". O projeto que data de 2008 só se tornou lei agora, porque os deputados evangélicos tentaram de todas as formas criarem obstáculos para a tramitação do projeto. Para eles, "é um cerceamento da liberdade de se poder criticar a macumbaria e outras formas de manifestações ditas religiosas", numa clara crítica aos cultos afro-brasileiros.
A nova delegacia estará dedicada a registrar, investigar e adotar todos os procedimentos policiais aplicáveis nos casos de racismo e intolerância religiosa nos quais ocorra violência ou discriminação da vítima. Também oferecerá aos cidadãos um telefone gratuito para receber denúncias de agressões ou atos discriminatórios:
"O Rio de Janeiro, apesar de ser tão liberal, é o estado que mais registra casos de discriminação e preconceito racial, religioso e por condição socioeconômica ou procedência nacional", afirmou o deputado Átila Nunes, autor da proposta vitoriosa. Segundo o deputado, denúncias de racismo são registradas a cada 15 dias nas delegacias do Rio de Janeiro. Átila Nunes, afirmou que a freqüência com que esses crimes ocorrem no estado justifica a criação de uma delegacia especializada. Ele citou ainda os casos de ofensas a obesos.
Átila disse que a idéia partiu de seu filho, Átila Nunes Neto, que chamou atenção para a necessidade do Rio de Janeiro ter uma delegacia especializada para crimes contra intolerância, em razão da quantidade de casos registrados, que incluem até depredações de centros umbandistas.
Caberá à delegacia registrar, investigar, abrir inquérito e adotar os demais procedimentos policiais nos casos que envolvam violência ou discriminação. De acordo com a proposta, a delegacia deverá disponibilizar atendimento telefônico gratuito para receber denúncias

ÍNTEGRA DO PROJETO DE LEI Nº 1609/2008 QUE CRIA A DELEGACIA DE CRIMES RACIAIS E DELITOS DE INTOLERANCIA – DECRADI

Autor: Deputado Átila Nunes

A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO RESOLVE:

Art. 1º - Fica criada a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância – DECRADI, com a finalidade de combater todos os crimes praticados contra pessoas, entidades ou patrimônios públicos ou privados, cuja motivação seja o preconceito ou a intolerância.

Art. 2º - Compete à DECRADI, registrar, investigar, abrir inquérito e adotar os demais procedimentos policiais necessários, nos casos que envolvam violência ou discriminação contra as pessoas, objetivando a efetiva aplicação da Legislação em vigor e assegurar os direitos de todos os cidadãos, independente de cor, raça ou credo religioso.

Art. 3º - A DECRADI disponibilizará uma linha telefônica 0800 com o objetivo de receber denúncias e informações sobre discriminação ou desrespeito à cidadania ou qualquer outro tipo de agressão.

Art. 4º - As despesas decorrentes da aplicação desta Lei correrão por conta do Orçamento do Estado, que fica autorizado a abrir crédito suplementar.

Art. 5º - Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
Plenário Barbosa Lima Sobrinho, 10 de Junho de 2008.

DEPUTADO ÁTILA NUNES: JUSTIFICATIVA

A luz dos últimos acontecimentos amplamente divulgados na mídia falada, escrita e televisionada, que demonstram ser grande o preconceito e a intolerância, seja racial, religiosa ou de cor, com fatos, onde a violência e o desrespeito contra as pessoas tem sido a causa principal de atos de vandalismo, agressões físicas e verbais.
Toda imprensa noticiou recentemente a perseguição religiosa sofrida pelos umbandistas, sendo expulsos das comunidades por membros do tráfico de drogas ou templos umbandistas sendo invadidos e depredados por seguidores de outras religiões.
Faz-se necessário criar uma delegacia especializada para o atendimento desses casos, tendo em vista o aumento contínuo das ocorrências de crimes, cada vez mais violentos e graves, que merecem todo o amparo por parte do Poder Público, para cumprir o que determina os incisos VI e VIII do art. 5º Constituição Federal, garantindo-se assim o direito a liberdade, a vida e a segurança.
Pelo exposto, conto com o apoio dos meus pares na aprovação do presente projeto.

Fonte: Dep. Átila Nunes

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Iyànifá.




Odu Ifa EjiOgbe (Ogbe meji) que esclarece a posição e o papel das mulheres no culto de Ifá e como ela tem igualmente o mesmo papel do Babalawo. Elá, iniciou Iyànifa (mãe de Ifa).
Iyànifa está recebendo o ícone da Divindade Esu no espaço sagrado do Igbodu
Eji Ogbe
Arowo d'ifa Awo le jegbe
Agbagiwo mi s'oluwo
Isalu orun
Ifa pe wo Orunmila
N'ijo ti n t'orun bo w'aye
Won ni ni yio yio Obinrin nd Bimo
Meji loojo
Gege bi oro ifa
Orunmila n'iyawo
O loyin o si bi b'eji
Oka j'okunrin okan j'obinrin
Lati kekere ni awon mejeeji
Ti n wo baba won bo ti ngbe wo ifa
Bi Okunrin ti mo fa ida
Ni Obinrin naa mo fa ida
Nigbati awon omo eniyan
De isalye awon awo
Ni Iwo Awawonlaseri
O dahun o ni Obinrin ti k'ifa
Lati IGBA yi l'obinrin
Ti n k'ifa
Won n yan ebo
Won si n j'ewe ifa fun won

Quem tem dinheiro para consultar Ifa?
O segredo da casa Jegbe (o adivinho)
É Agbagiwo que é o Sumo Sacerdote de adivinhação
Na morada celeste
Ifa disse: Olhe para Orunmila
O dia em que ele estava vindo para a terra do céu
Disseram-lhe que ele se casaria com uma mulher
Eles disseram que a mulher iria entregar crianças
Dois filhos em um dia
Assim como previu Ifa
Orunmila tinha uma esposa
Ela estava grávida de gêmeos
Um era do sexo masculino, enquanto o outro era do sexo feminino
Desde a tenra idade, ambos
Assistiram seu pai no ato de divinação
Assim como o masculino poderia divinar
Então, poderia a mulher
Quando os seres humanos
Chegaram à terra para viver, os adivinhos
Disse, você Awawonlaseri
Seu filho não pratica Ifa
Ele respondeu e disse, ela é do sexo feminino
Disseram-lhe que não é tabu
Enquanto a filha primogênita de Orunmila
Que é do sexo feminino estudou Ifa
A partir de então as mulheres têm estudado Ifa
Prescrevem o sacrifício
E elas são iniciadas no culto de Ifa

domingo, 2 de outubro de 2011

A MENSTRUAÇÃO

Ìòsùn méjì

Alakedun procurou o intestino
O macaco achou o intestino
As maravilhas de aweremegun lhe fazem amarelar.
Estes foram os Babalawo que divinaram para Iyemowo.
Foi feita divinação de Ifa para Iyemowo a esposa de Obatala.

Uma vez Obàtálá casado com Iyemowo, ela já não bebia água, mas sangue, o sangue de animais
Ela bebia sangue fresco diariamente e ela se tornou uma mulher poderosa.
Iyemowo desejava Ter assuntos para com seu marido
Ela consultou Ifa
O babalawo lhe disse para confiar em seu marido e acreditar nele
Ela não deveria suspeitar dos movimentos dele
Assim ela não perderia a sua vida quando estivesse investigando os movimentos do seu marido
Ifa disse que ela teria filhos, e um sacrifício foi prescrito para Iyemowo.
Obatala não tinha nenhuma arma, mas ele satisfazia todos os dias os gostos de sua esposa com sangue fresco
Isso é o que fez a sua esposa suspeitar dele.
Considerando que Obàtálá sabia do que a sua esposa gostava, ele consultou seu babalawo.
O babalawo preparou uma colher de madeira especial para ele.
Esta colher de madeira foi preparada com magia e sempre que ele apontava a colher para um animal ela tirava o sangue de seu corpo.
Era com isso que Obatala ia buscar sangue fresco para ela todos os dias.
Mas, Iyemowo nada sabia desse segredo.
Um dia Iyemowo decidiu seguir o seu marido.
Ela sabia que Obatala tinha um saco que ele levava diariamente para a floresta.
Ela cortou a bolsa no fundo e pôs cinzas dentro do saco.
Obàtálá, desavisado disto, levou a bolsa e foi para a floresta para procurar animais.
Conforme Obatala ia, as cinzas caiam do saco e criava um rastro
Este era o rastro que Iyemowo seguiu para saber onde o marido dela ia.
Havia um local onde Obatala ficava e ia buscar sangue para a sua esposa, assim que qualquer animal passasse.
Obàtálá ficou sentado pôr muito tempo, nenhum animal passou.
Isto era uma surpresa para ele.
Ele ouviu o som e algo vir em sua direção.
Ele apontou a colher de madeira na direção do barulho sem saber que era a sua esposa.
Ela caiu imediatamente, e o sangue saiu da sua parte genital.
Obatala correu em direção do barulho, e teve uma grande surpresa ao ver que era Iyemowo.
O que quer você aqui ?
Porque você me procura ?
Estas foram às palavras que saíram da boca de Obàtálá.
Ele levou-a para casa e chamou o seu babalawo.
O babalawo contou a Obatala o que Ifa tinha falado a Iyemowo
Ifa advertiu-a quando ela havia consultado Ifa
O babalawo lhe disse que oferecesse cinco adie para fazer sacrifício
Uma galinha deveria ser dada a Ifa a cada dia durante cinco dias
Quando isto terminou, o sangue deixou de vir das partes genitais dela.
Eles fizeram sexo, e Iyemowo engravidou.
Ela deu muitos filhos para Obàtálá
Desde então, toda mulher começou a ter um período menstrual.