quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

ITANS DE OKONRON - MEJI

OKONRON MEJI TORNA-SE O GRANDE CHEFE DE ILAYE OKO.

Chegando a Ilaye Oko, ele desenvolveu uma sociedade secreta com os mais velhos sacerdotes da cidade, para fazer por ela o que eles não puderam fazer por anos de tentativas. Um daqueles Awo era chamado Ojikutu Ogbede Sorun - Orín gbere gbere kaaye.
O homem recomendou-o a fazer sacrifício com um bode para Eşu, 1 cabra para Ifá, 1 coelho para a noite e 1 galo para sua cabeça porque ele estava provavelmente para receber uma promoção. Foi avisado para tocar um tambor e dançar fora da sua casa. O Momento era véspera de escolha do chefe da cidade. Sendo um visitante ele nunca aspirou à chefia da cidade, mas ele fez sacrifícios mesmo assim.
Após executar o sacrifício, ele mandou as pessoas tocarem sinos e tambores, deu Uroke para suas esposas e todos eles dançaram até o raiar do dia. Todos os sacerdotes divinos da cidade levantaram se para participar da dança.
Na manhã, foi concluído que ele estava para ser o próximo grande chefe de Ilaye Oko e houve regozijo e júbilos gerais. Depois disso ele recrutou um número de subordinados sacerdotes de Ifá, que praticaram arte de Ifá em seu nome.

ELE FEZ DIVINAÇÃO PARA AKPON PARA SER POSSÍVEL TRAZER PAZ A IFÉ QUANDO ESTAVA EM GRANDE CONFUSÃO.

Novamente Ifé estava passando por uma carestia severa. Houve uma grande seca e todos os fazedores de chuva da redondeza tinham tentado em vão, procurar nuvens de chuva. Enquanto isso eles ficaram sabendo de Okonron Meji e foram a ele. Por outro lado ele era um fazendeiro e não ampliou a arte de Ifá. Antes de responder ao convite ele foi à divinação e foi recomendado de fazer sacrifício antes de partir para Ifé.
Chegando a Ifé, ele viu realmente a devastação provocada pela estiagem. Tendo recebido sua parte dos sacrifícios, Eşu que era o responsável pelas estiagens desatarraxou a rolha da chuva do céu e bem na hora de sua chegada, após simplesmente usar iyerosun e o encantamento apropriado, a chuva começou a cair. Choveu continuamente por três dias e o povo de Ifé começou a agradecer em louvor de Okonron meji, que executou o milagre.
O encantamento usado por Okonron meji foi:

A batalha do calor nunca conquista a colher, e a colher nunca quebra dentro da sopa.

A SALVAÇÃO DE AKERIWAYE.

Dois dos seus sacerdotes subordinados eram Shekutu Molagua, Ojo okpa akiko iyere re odidi, que fez divinação para a mãe de Akeriwaye, quando inimigos estavam desejando a morte da garota.
A mãe foi avisada a fazer o sacrifício de dois galos e ela o fez rapidamente. Os galos foram usados para fazer sacrifício para Ògún e Eşu. Enquanto isso, Akeriwaye estava adormecida em uma noite, quando um mau espírito veio em forma de cobra para entrar no quarto enquanto ela estava dormindo. Quando a cobra estava quase para atravessar a porta, Èşu rapidamente soltou a barra de ferro que suportava a porta e caiu na cobra esmagando-a até a morte. O barulho da queda do objeto de ferro pesado acordou a mãe e quando ela viu o que aconteceu se ajoelhou e cantou em louvor de Okonron meji que fez o sacrifício dela. Quando este Odu surge normalmente na divinação, à pessoa será avisada que seu pai ou sua mãe tinham feito sacrifício justamente para ele ou ela e que tinha
manifestado agora.
Se surge irregularmente a pessoa deverá ser avisada a falar para sua mãe fazer sacrifício que corre perigo iminente de morte.

O MAU DESTINO DA COROAÇÃO DE ADEGUAYE.

ETI LAWO MORUGE. ITA AARE RIJE ATA ONO; foram os sacerdotes que fizeram divinação para Adeguaye, o único filho do rei, que nasceu quando seu pai já era muito velho. O sacerdote recomendou a Adeguaye tão logo seu pai morreu para fazer sacrifício as mais velhas da noite com uma cabra e oferecer um bode a Èşu, afim de que talvez sobrevivesse a cerimônia de coroação.
Sendo jovem ele não gostou do resultado das oferendas sacrificais, logo ele não entendeu porque deveria fazer o sacrifício para uma mera cerimônia tradicional.
Depois disso, após o funeral de seu pai, os ministros convocaram-no a providência para suceder no trono. A cerimônia estava para começar com uma reclusão em isolamento em um conclave secreta por 14 dias.
Numa noite as feiticeiras, que normalmente não golpeavam sem dar a próxima vítima antecipar, prevenindo-se, visitaram-no e esfregou seu corpo com suas mãos. Na manhã seguinte ele ficou doente. A despeito de sua indisposição ele ainda não estava convencido de que deveria executar o sacrifício.
Sua mãe foi a única a avisá-lo que já era muito tarde para fazer alguma coisa. No sétimo dia do
conclave ele morreu, mas sua morte não foi anunciada formalmente.
Sob a proteção de um toque de recolher (ORO) seu corpo foi levado para casa e a cerimônia de coroação foi completada após o funeral pelo seu filho menor que foi feito rei.
Quando este Odu surge na divinação para uma pessoa que está planejando tomar um novo compromisso, ele deverá ser avisado que há sucesso o aguardando, mas que a morte está entre ele e a realização de seu sucesso. Ele deverá, contudo fazer sacrifício para as mais velhas da noite e para Èşu a fim de remover o perigo de morte de seu caminho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Culto Tradicional Yorùbá, vem resgatar nossa cultura milenar, guardada na cabaça do tempo.