quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

ITANS DE ODI - MEJI

IDI MEJI PARTE PARA A TERRA.

Idi era tão conceituado que ele nem se incomodou em fazer qualquer divinação mais importante antes de embarcar em suas façanhas. Ele não via o porque deveria ir para a divinação com sacerdote de Ifá inferior ou divindades.
Por outro lado ele estava sempre certo que sua habilidade e poder o acompanhariam através de todos os desafios. Quando ele concluiu que era hora de partir do céu para a terra, decidiu viajar apenas com seus dois instrumentos essenciais de poder e autorídade, a pedra de raio e o forte vento escaldante.
Estes são instrumentos usados pela divindade do trovão (Şàngó), e a divindade do metal (Ògún), ambos os instrumentos estavam embutidos dentro de suas cabeças. Quando seus seguidores viram no partir para a terra sem nenhuma preparação maior, alguns deles se juntaram e fizeram se lembrar que ele nunca teria uma esposa de sua escolha como teve no céu.
Eles lhe disseram que justamente por isso já que estava rumando para ir através da vida na terra sem a esposa de seu próprio desejo, ao menos que ele fizesse sacrifício de um bode para Èşu e uma angola para seu guardião.
Ele retorquiu que se ninguém era capaz de subjugá-lo no céu, quem que poderia se opor a ele ou pará-lo em seu caminho.
Ele jurou que estava indo executar na terra feitos similares como gravou no céu. Eles lhe disseram para recordar a influência rompente de todas as outras divindades, as quais detinha degradado no céu. Ele seria impotente para subjugá-las na terra, já que elas chegaram lá antes dele. Entre seus representantes que lhe davam alerta estavam:

Abini LOrígi-Omo igi ri mu,
Edo Okpini ni monje \ Edo oke ni mo mu.
Okuro ni agbigbo.

Ele nasceu na terra para um pai que era sacerdote de Ògún e uma mãe que a sacerdotisa era de Şàngó. Ele saiu do útero com uma pedra de raio e um alto forno, os quais foram reservados para ele crescesse.
Na idade de 10 anos ele já estava lutando com adolescentes que eram alguns anos mais velho do que ele. Ninguém poderia tocar alguma vez o chão com suas costas. Se tornou tão violento que todo mundo estava com medo dele. Foi apelidado de o invencível.
Enquanto isso, ele tinha ido guardar os bastões que tinha trazido do céu num lugar secreto onde se refugiou para usá-los de tempos em tempos. Um dia viu seu pai se preparando para servir sua cabeça com um cão. Disse ao pai que era proibido servir a cabeça com 1 cão. Ele levou ao lugar onde guardou seu alto forno e abateu o cão. Quando o povo presente contestou sua ação, lhes disse para ir ao lugar onde ele sacrificou o cão e verificar se eles não encontrariam uma cabra viva lá.
O cão tinha sido transfigurado em 1 cabra viva e foi trazida a seu pai para servir sua cabeça. Numa segunda ocasião ele e sua mãe estavam preparando para vir servir a sua cabeça com uma ovelha.
Mas uma vez ele disse, que era proibido servir a cabeça com uma ovelha. Então a levou para onde deixou sua pedra de raio e sacrificou-a. Ele foi de novo contestado pelos mais velhos ao redor e lhes disse que onde sacrificou a ovelha eles achariam óleo de palma com um galo. O povo coletou o óleo e o galo, e a mãe ofereceu-os a sua cabeça, enquanto ele a oríentou para beber o óleo.
Neste estágio ele contou a seus pais que veio do céu para relembrá-los de suas divindades patronas:
Ògún e Şàngó, os quais haviam ignorado. Então ele deu o alto forno para seu pai reproduzir todas as ações manufaturamento do ferro e aço e deu a pedra de raio para sua mãe usá-la em suas tarefas como uma sacerdotisa de Şàngó.
Este re-descobrimento de seus caminhos de destino rapidamente os transformou em uma dupla famosa e próspera. Foi Idi quem ensinou o mundo como servir Ògún e Şàngó e acreditar que ele foi o 1º Odu que trouxe a cerimônia das duas divindades para a raça humana. Depois que ele partiu da casa de seus pais e vagou no coração do mundo. Onde quer que ele fosse ninguém pode subjugá-lo.
Mas estava muito temeroso que ninguém quisesse casar-se com ele nem fazer homem algum conviver com ele. Quando ele descobriu, que tinha se tornado efetivamente ostracizado, abandonou todas as cidades, vilas e habitações humanas e construiu um abrigo para si próprio no coração da floresta. Assim que iniciou sua vida na floresta foi considerado um homem mau.
Em seu novo lar, plantou árvores de kola, árvores de noz (nogueira) e pereiras. Elas logo cresceram e começaram a produzir frutos. Uma noite seu anjo guardião, surgiu em sonho para lhe dizer que estava sofrendo tantas privações pelos sacrifícios que se negou a fazer no céu. O guardião lhe disse que embora fosse ficando tarde, visto que ele era um homem velho, ele, no entanto faria o sacrifício.
Sem saber que estava falando com ele, decidiu na manhã seguinte, consultar seus Ikin divinatórios e foi seu próprio sinal de Ifá que surgiu, compreendeu que foi seu guardião quem sugerira para ele durante a noite. Do processo de venda de suas frutas, foi capaz de comprar 1 bode para Èşu, e 1 angola para seu Ifá, mais tarde apesar de tardiamente fez seu sacrifício. Depois de proceder com o sacrifício, novamente consultou seu Ifá, que lhe disse que alguma coisa enérgica iria acontecer na cidade e que ele teria que desempenhar uma função decisiva. Nesse ínterim a filha mais velha do Oba estava tendo um parto difícil.
Todos os sacerdotes e sacerdotisas das outras divindades haviam falhado na tentava de fazer nascer o bebê. Quando não houve outro awo ao redor para ser convocado, Èşu invadiu a mente de um dos conselheiros do Oba, que imediatamente recordou que Idi poderia ser convocado para tentar sua mão no problema. Idi foi rapidamente chamado e chegando ao palácio pegou sua sacola de divinação Akpo Minijekun, e apanhou algumas folhas. Então preparou as folhas e acrescentou seu Iyerossun (pó divinatório), depois disso repetiu a seguinte entoação para qual os sacerdotes de Ifá usam neste dia para auxiliar a mulher em parto trabalhoso.

AWO LAAFI RABE TAAFI DAE LOKO GBAA (3X)
EDON A MOJU GAN RAN NWU (3X)
ORUKO TAAN KPE OBO (3X)
IFA ABENW KPA KA (3X)
ALA ORÍSA NO TI GBE OMO OLOMODE SINU (3X)
ETU OMO OLOMO BO OGBO RO ORÍTE EJE WAYE.

Enquanto ele estava repetindo este encantamento usava as folhas para lavar o abdômen da mulher depois fazendo bebê-la até o fim. Assim que mencionou a última estrofe do poema a criança, junto com sua placenta saíram ao mesmo tempo. O único motivo pelo qual eu tive para revelar esta encantação, é para demonstrar o significado dos encantamentos em geral.
Será relembrado que foi Idi no céu quem deu a possibilidade para o Pênis do homem e a Pélvis da mulher produzirem uma criança. Na terra ele apenas recordou a vagina que era apenas indicada como passagem para o nascimento da criança, trazendo-a para fora do útero.
A essência total do encantamento é para recordar a razão do ser no celeste e seu papel, e daí em diante o seu poder de ser convocada para comportar-se como desejado.
Tão logo a mulher deu a luz à criança, sete dos chefes do palácio ficaram maravilhados que um homem que foi taxado de lunático, tinha tão grandes poderes. Seu mérito foi apreciado e apenas após ter feito o sacrifício para compensá-lo, o Oba lhe deu uma quantidade de dinheiro bem como,
1 homem e 1 mulher, já que ele estava tão velho para reproduzir, ele disse ao homem e a mulher para viverem com ele como marido e mulher para o resto de sua vida.
Uma vez seu mérito tendo sido reconhecido sua casa foi freqüentada pelo povo que tinha todo os tipos de problemas e ele foi capaz de auxiliá-los. Ele realmente recebeu o título dado pelo Oba e este lhe disse para transferir seu abrigo para a cidade de Ile Ifé. Na cerimônia de inauguração em sua nova residência, ele cantou em louvor ao seu awo no céu, lamentando por ignorar seus avisos, na canção ele avisava ao povo para fazer seus sacrifícios descritos, a fim de evitar sofrer todos os tipos de fato, porque ele tinha plantado a safra que outros estavam vindo para colher, já que não estava deixando ninguém na terra para colher sua herança. Idi é reconhecido por ter arrebanhado muitos seguidores após ter retornado para o céu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O Culto Tradicional Yorùbá, vem resgatar nossa cultura milenar, guardada na cabaça do tempo.