sexta-feira, 19 de maio de 2017

Ìbà Òşún oooooooooo



Os assuntos de Òşún são importantes.
Os assuntos de minha mãe são importantes.
Os assuntos de Òşún, são importantes.
Eu nunca brincarei com os assuntos de Òşún.
Os assuntos de Òşún são importantes.
Òşún, mulher valente, viril e muito experiente.
Minha mãe Origimoba, mulher como o homem,
Que fez a sua maior contribuição libertando, despertando e conscientizando as mulheres de todo o mundo desde o início.
Durante o tempo de vida física dos Irunmọlẹ neste planeta Terra, nossa mãe tentou o seu melhor antes de ascender através da água e deixar a Terra para o Céu.
Se não fosse por Òşún, às mulheres não seriam dadas qualquer reconhecimento e honra (Òsétúrá).
As mulheres não teriam conhecido os seus direitos e as tarefas à frente delas, se não fosse nossa mãe.
Você, como uma mulher, qual a contribuição que você quer dar para a humanidade e para a posteridade, como você será conhecida?
Firmemente levante-se para trabalhar até o ponto mais crítico de sua energia, na contribuição justa para a cultura de sua comunidade, o conjunto político, os costumes, a economia, a religião, a linguística, a tradição e outras formas de vida, para que seu nome possa ser registrado para a posteridade.
Seja corajosa, sábia, humilde, política e honesta como nossa mãe, Òşún Sengise.
Minha mãe, Otoro Ẹfọn, eu dou grandes elogios a você.
Ore Yèyé O!
Ore Yèyé O!
Ore Yèyé O!

Fatunde, Fakayode Fayemi
Tradução: Odé Ợlaigbò


domingo, 23 de abril de 2017

Òsá diz: Um mau Ori não é reconhecido na multidão



Uma cabeça atingida com a má sorte não se destaca desproporcionalmente
As pegadas de uma pessoa louca não são distinguidas no caminho
É impossível conhecer a cabeça de alguém que será coroado no meio da multidão.
Estas foram as declarações de Ifá para Mobowu
A esposa de Ògún
Quando eles faziam todas as coisas sem nenhum sucesso
Eles foram aconselhados a oferecer ebo.

Mobowu era a esposa de Ògún, antes deles se casarem, eles dois não haviam tido uma boa vida financeira. Quando eles se casaram a coisa piorou. Ògún estava experimentando uma série de perdas em seu trabalho. Ògún era um caçador, um ferreiro, um cantor e artista. Sempre que ela ia a montanha caçar, ele se deparava com elefante, búfalo, veados, antílopes, leões, leopardos e etc., sendo um homem de movimentos rápidos, ele mesmo assim nada conseguia. O irônico na situação era que ele não era capaz de rastrear onde as presas caiam ou fugiam, até depois de três dias quando o animal já estava infectado com moscas e vermes!
Um dia ele se sentou e estava murmurando sobre sua má sorte e um pensamento veio a sua mente, seria Mobowu, sua esposa, ela seria a raiz de seu infortúnio?
Não seria o espírito dela que estava trabalhando junto a ele?
Poderia ser, tinha que ser isso, suas pernas (Odù) estavam infectados espiritualmente com o infortúnio?
Quanto mais pensava no assunto, mais ele acreditava nessa ideia.
Ògún então raciocinou:
Era bem possível que essa era a única explicação, ou, não!
Desse momento em diante, Ògún percebeu que seu inimigo era sua esposa, que ela era o bloqueio e o tropeço contra seu progresso, que outro nome você poderia chamar uma mulher, a qual, tenha trago tanto infortúnio e tanta má sorte?
Pelo contrário, Mobowu era uma comerciante, mesmo que fosse uma comerciante de sucesso, antes dela se casar com Ògún, ela podia sem mais e nem menos sustentar a si mesma. Quando ela se mudou para a casa de Ògún, seus negócios de mercado despencaram completamente. Ela não tinha dinheiro para continuar seus negócios. Ela não podia pedir ajuda a seu esposo por que ela sabia que ele não tinha dinheiro. Ele foi à casa de seus pais e lhes pediu dinheiro. Antes que eles lhe dessem o dinheiro, eles a fizeram chorar sem parar por muitos dias. Ao final, o dinheiro foi dado, ela decidiu começar o seu negócio de farinha de milho e frituras de feijão. Ela comprou todos os materiais possíveis e necessários para o seu negócio, anunciou para todos os seus vizinhos e todos eles prometeram um bom patrocínio.
No dia em que ela começou seu negócio, ela não viu ninguém para comprar seus produtos, ela foi pelos arredores onde estavam seus vizinhos, porém, eles disseram a ela que já haviam comprado suas comidas e que ela voltasse no dia seguinte. Alguns deles disseram que não sabiam que ela começaria a vender naquele dia.
Alguns chegaram a dizer que duvidaram de que ela faria isso. Ao final, ela foi forçada a distribuir parte dos alimentos aos filhos e outras pessoas como presente. Antes de uma lua cheia, ela já havia gastado todo o dinheiro que seus pais lhe haviam dado. Ela chorou amargamente. Quanto mais chorava, mais odiava seu esposo. Ela se lembrou que haviam outros pretendentes que haviam feito a corte a ela, porém, seus pais os recusaram, preferindo Ògún em vez dos outros. Para piorar as coisas, todos aqueles que foram seus pretendentes estavam vivendo muito bem, se ela tivesse tido a sorte de se casar com algum deles, ela não estaria nesse estado de vários problemas em que se encontrava. Quanto mais refletia sobre isso, mais ela odiava seu esposo, Ògún. Chegou a um ponto que não havia nada que Ògún fizesse que a impressionasse, ela se metia com ele em todas as oportunidades.
No entanto um dia, Mobowu lhe pediu que trouxesse dinheiro para alguns utensílios da casa, Ògún respondeu, enfurecendo até o ponto que ela começou a falar impropérios e abusos para seu esposo. Não houve um só insulto que ela não usou para qualifica-lo. Ela fez isso até ele se dar conta que era o responsável por todos os seus infortúnios e má sorte.
Se não fosse por ele, ela disse, ela poderia estar desfrutando sua vida em um outro lugar. Ela mau disse, humilhou e abusou dele por mais de cinco horas. Ògún simplesmente ficou calado. Isso o molestou ainda mais. Ela gritava o mais alto possível. Mesmo assim, Ògún não disse nada. Ela agarrou a roupa de Ògún, ela bateu e o esbofeteou repetidas vezes, ela disse:
Você é um marido desocupado, não serve para nada.
Ela gritou com ele: 
Você é louco!
Ògún derrepente gritou:
Você também é louca!
Ela usou suas unhas para rasgar o rosto de Ògún. Isso fez com que Ògún batesse nela. Nesse momento ela decidiu se divorciar de Ògún e pôr um fim a todos os sofrimentos. Ele decidiu ir consultar Ifá para encontrar a forma mais fácil e rápida dela pôr fim a seu matrimônio com Ògún. Ela foi ao grupo de Áwo citado acima.
Durante a consulta a Ifá, Òsá mèjì foi revelado. O Áwo lhe informou que ela estava a ponto de dar um passo e ela havia vindo para saber o resultado de sua decisão.
Ela foi advertida a não dar esse passo uma vez que ela estaria presa ao arrependimento por haver tomado essa decisão errada que causaria arrependimento para o resto de sua vida. A ela foi informado que toda sua consideração estava baseada em dinheiro e em bem estar financeiro somente. Ela estava segura que havia muitas outras coisas que eram cruciais em um casamento que apenas o dinheiro. A ela também foi dito que ela havia sido abençoada com filhos, boa saúde, segurança e posição social na comunidade, tudo isso ela havia ignorado somente por que seu esposo não era rico nesse momento. Eles perguntaram o que havia feito ela pensar que essa maré não poderia mudar para ela e seu esposo em um futuro próximo?
Eles a advertiram a ela que não usasse linguagem abusiva contra seu esposo novamente e que desse a seu esposo a oportunidade de melhorar seu bem estar e de sua família, eles também disseram que os dois, marido e esposa, haviam se ofendido desnecessariamente e incessantemente. Foi por isso que nenhum dos dois pode ver alguma coisa boa ou benevolente em cada um.
Ao final, Mobowu, foi aconselhada a oferecer ebo tal como descrito acima, ela foi aconselhada a voltar para casa e que desse uma chance a paz. Ela obedeceu a todos os conselhos dos Áwo, ela regressou para casa, completamente determinada a dar uma chance a seu esposo, ela também decidiu mudar seu comportamento e sua atitude em relação a seu esposo.
Quando ela regressou para casa, ela começou a fazer todas as tarefas da casa, que ela havia abandonado até então. Antes que Ògún regressasse para casa, sua comida estava pronta, ela serviu sua comida com respeito. A princípio Ògún estava surpreso, logo Ògún se deu conta que sua esposa verdadeiramente havia mudado para melhor. Eles começaram a ver as virtudes de cada um, enquanto eles estavam cegos antes de seu amor começar a crescer. Eles se tornaram muitos carinhosos um com o outro, eles logo se deram conta que o dinheiro não era tão importante em suas vidas, eles concluíram que o amor, respeito mútuo e entendimento um pelo outro era tudo que precisavam.

Òsá mèjì diz:

Uma cabeça atingida com a má sorte não se destaca desproporcionalmente
As pegadas de uma pessoa louca não são distinguidas no caminho
É impossível conhecer a cabeça de alguém que será coroado no meio da multidão.
Estas foram as declarações de Ifá para Mobowu
A esposa de Ògún
Quando eles faziam todas as coisas sem nenhum sucesso
Eles foram aconselhados a oferecer ebo.
Eles foram aconselhados a oferecer ebo
Aquele que se tornará rei no futuro
Ninguém pode dizer com certeza
Que o casal deixe de se ofender com nomes de baixo calão
Quem será coroado rei amanhã?
Ninguém sabe.
Ifá diz que com amor e entendimento a vida desse casal será boa. A porta do sucesso está aberta.

Epá Odù, Epá òrìşà.

The Book Ifá Dida 1
S. Popoola.

Tradução: Odé Ợlaigbò

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Aos Vencedores!!!



Eu sei, eu sei. Às vezes parece que nada adiante, que nada vai dar certo, que quem escapar da miséria, do assaltante, da bala perdida e da bomba do terrorista a epidemia pega, e que o fim dos tempos está ali na esquina.
Mas, pense o seguinte:
Você pertence a uma raça de vencedores. Os antepassados de toda a sua raça - a humana - têm, todos, as mesmas características positivas em comum. Todos sem exceção, atingiram a maturidade, pelo menos a sexual. Todos sobreviveram a pestes, guerras, má nutrição e desastres naturais e chegaram à idade de ter filhos. E todos- olha só a sua sorte- eram férteis. Não eram necessariamente, todos heterossexuais, mas, pelo menos uma vez na vida foram. E, por acidente ou não, tiveram pelo menos um filho com um parceiro de outro sexo.
Quer dizer, você pertence a uma linhagem admirável que nunca se deixou abater, e venceu todos os obstáculos para que você e a sua raça estivessem aqui hoje, se queixando da vida. Você mesmo não se dá conta do que passou para existir. Do seu feito, do seu mérito em sair do nada- ou quase nada, uma larva- e ficar desse tamanho. Não pense que você estava sozinho no sêmen do seu pai. Que era moleza, só chegar no útero da sua mãe assoviando e pimba, fecundar o óvulo. Havia milhões de outros espermatozoides no sêmen do seu pai, naquela particular jornada. Milhões. E não era, assim, como a S. Silvestre, em que já se sabe que o vencedor será um africano magrinho. Ou como a Formula 1, em que o resto da equipe trabalha para um vencedor designado. Ninguém é favorito, ninguém é azarão na corrida para o óvulo. E não tem aquela: "Passa, irmãozinho", "Não, passa você". Era cada um por si. E você venceu!
O espermatozoide que deu você derrotou milhões de espermatozoides que deram em nada e chegou na frente. Aquele berro que você deu ao nascer foi um grito de vitória, um “Primeirão” em linguagem de recém-nascido, guardado na garganta por nove meses. E você tinha todas as razões para se sentir um vencedor, membro de uma casta de vencedores – os que nasceram, os que estão aí. Pense naqueles espermatozoides que não conseguiram. Que tinham o mesmo objetivo, a mesma vontade de ser alguma coisa na vida e fracassaram. Para eles não adiantava chegar em segundo. Não havia vice e nem repescagem. Ou chegavam em primeiro ou estavam condenados a não existir. E o primeiro, o primeirão, foi você.
Ponha aí no seu curriculum:
“Vencedor da corrida para o Óvulo”, o local e a data.


Luiz Fernando Verissimo.